segunda-feira, 20 de Outubro de 2014

A Vingança

"A Vingança (Mediator 3)", de Meg cabot (Bertrand Editora)

Sinopse:
Os fantasmas não vêm quando os chamamos, simplesmente aparecem...
Suze, uma jovem de dezasseis anos, só desejava que Jesse, o fantasma podre de bom que não desiste de se meter na vida dela, resolvesse aparecer naquele momento. Suze é uma médium e não consegue compreender os fantasmas de quatro alunos muito populares do liceu, que morreram num acidente de automóvel. Precisa de auxilio para os fazer voltar aonde pertencem.
Para agravar a situação, parece que a morte dos alunos nada teve de acidental, e os quatro querem vingar-se... e não apenas do jovem que os matou, mas de qualquer um que se atravesse no seu caminho.



Opinião:
Ler séries fora de ordem, mesmo quando cada livro é relativamente independente. como é o caso desta, acaba sempre por dar problemas. No meu caso, como li o 4º antes deste, acabei por achar que A Vingança não foi tão divertido, mas a série "Mediator", ainda assim, nunca decepciona. É sempre uma boa leitura.

Neste livro, Suze vê-se em apuros por causa de quatro fantasmas de jovens adolescentes e por causa de uma maigo muito especial. Infelizmente este amigo não é o Jesse, que está estranhamente ausente neste livro, embora acabe por estar presente nos grandes momentos. Contraditório mas verdadeiro. O outro amigo da Suze, o Michael, foi uma personagem surpreendentemente interessante e bem construída. Gosto de pensar que se a Suze não estivesse de beicinho pelo Jesse poderia haver uma hipótese de ela se interessar verdadeiramente pelo Michael. E isso sim daria uma reviravolta bombástica. Mas não é como se a reviravolta que existiu não inesperada.

Outra coisa que me agradou foi o relacionamento familiar que, neste volume foi mais bem explorado e nos permitiu ver crescer a ligação da Suze com os irmãoes e o padrasto.
Faladno ainda de personagens, a Gina criou em mim sentimentos contraditórios. por um lado adorei a forma como ela e a Suze se entendiam, mas por outro ela irritou-me por causa da sua despreocupação. Mas no geral posso dizer que gostava de a ver noutras aventuras da Mediadora.
A Suze, como sempre, foi muito divertida, apesar da sua excessiva vaidade neste livro. Ela continua inconsequente mas muito decidida. O padre Dominic também foi uma presença sentida neste volume. É uma personagem de quem é fácil gostar. E o Jesse, oh o Jesse ... se ao menos estivesse mais presente.

Voltando-me agora para escrita da autora, esta, por alguma razão, pareceu-me diferente. Acho que isto se deve, em parte, ao facto de eu ter lido este volume em inglês, enauqnto que os anteriores li em português (e felizmente a versão portuguesa tem uma boa tradução) mas não creio que seja só isso. Também terá a ver com o facto de ter lido os livros fora de ordem, certamente.

Em suma, A Vingança (Young Blood também conhecido por Reunion) é mais um bom livro da série Mediator (Mediadora), com um bom desenvolvimento de personagens (o vilão, em especial, está bem conseguido), embora se note que este livro é uma espécie de degrau que dá acesso a algo maior que se passará nos livros seguintes. Continuo a recomendar vivamente a série.

domingo, 19 de Outubro de 2014

Resultado do Passatempo Por Mundos Divergentes

O Passatempo que sorteava um exemplar de "Por Mundos Divergentes" terminou no passado dia 12.
Participações: 28
Entradas: 255 (cada participante ganhava entradas quanto mais divulgasse)
Número seleccionado de forma aleatória: 209

Vencedora: Vánia (Chris Correia)


Parabéns, Vánia! Irei entrar em contacto contigo brevemente para te poder enviar o exemplar de "Por Mundos Divergentes".

Aos restantes participantes resta-me agradecer-vos pelo apoio. Continuem a seguir-nos e apoiar-nos. Pode ser que da próxima vez a sorte esteja do vosso lado.
Entretanto, se estiverem interessados, podem sempre adquirir o vosso exemplar de "Por Mundos Divergentes" por apenas 10€, AQUI.

segunda-feira, 6 de Outubro de 2014

Compras e Leituras - Setembro 2014

Vídeo com o apanhado das compras e leituras do passado mês de Setembro, com uma convidada especial: a Mini! :D


Leituras:
- Paixão Escura, de Gena Showalter;
- Império Final, de Brandon Sanderson

domingo, 5 de Outubro de 2014

A Heroína e o Vilão - divulgação

O meu mais recente lançamento: "A Heroína e o Vilão", a segunda aventura da Heroína!

Sinopse:   
Teria sido uma noite como outra qualquer se a terra não se tivesse aberto debaixo dos seus pés, qual monstro esfomeado. E afinal o que é aquilo que brilha no cimo da montanha? Cabe à Heroína e ao seu fiel Mascote descobrir o que se passa e consertá-lo. Ou será que ainda vão fazer pior?
Esta é a segunda aventura ilustrada da Heroína.

Da autoria de Ana C. Nunes. Para já o conto ilustrado só está disponível na Smashwords, mas brevemente também estará na Amazon, Kobo, iTunes, e outros.
Qualquer pessoa pode fazer o download to ebook gratuitamente. 

Não se esqueçam de deixar as vossas opiniões, que são sempre bem-vindas!

Livro na Smashwords: https://www.smashwords.com/books/view/481516

Livro no Goodreads: https://www.goodreads.com/book/show/23295427-a-hero-na-e-o-vil-o

domingo, 28 de Setembro de 2014

A Trança de Inês

"A Trança de Inês". de Rosa Lobato Faria (Leya)

Sinopse:
Baseado no mito de Pedro e Inês (mais na lenda do que na História), um romance sobre a intemporalidade da paixão, onde se abordam também alguns mistérios da existência. Assim as mulheres passam umas às outras a sua teia ancestral de seduções, subentendidos, receitas que hão-de prender os homens pela gula, a luxúria, a preguiça e todos os pecados capitais, é por isso que elas nunca querem os santos, os que não se deixam tentar, os que resistem à mesa, à indolência, à cama, à feitiçaria dos temperos, ao sortilégio das carícias, à bruxaria das intrigas.

Opinião:
A história de Pedro e Inês sempre foi uma que me intrigou. Afinal é parte da nossa história e do nosso folclore. Além disso, Rosa Lobato Faria há muito que era uma escritora que me suscitava curiosidade. Uma mistura de ambos, pensei, só podia terminar bem.

Este A Trança de Inês é um livro difícil de definir. Consegue ser parcialmente ficção científica, romance contemporâneo e romance histórico. O que era mais do que esperava.
O enredo está sub-dividido em três tempos diferentes; três histórias diferentes mas muito semelhantes: presente, passado e futuro (ou algo semelhante). Por vezes os tempos misturam-se e é difícil distinguí-los mas na maior parte das vezes consegue-se entender bem qual o espaço temporal. O protagonista é sempre o Pedro, a Inês é sempre a amada, e o pai do Pedro é sempre o mau da fita. A trama repete-se nas três histórias com algumas subtis diferenças. E apesar de achar que a autora conseguiu unir bem as três, também as achei demasiado repetitivas.

Pedro foi, sem dúvida, a personagem mais bem explorada e a autora conseguiu criar aqui uma persoagem muito rica que foi aproveitada ao máximo, Gostei! No entanto a história focou-se tanto nele que abafou as personalidades de todos os outros. Especialmete da Inês que nada mais era que o alvo do amor obsessivo do Pedro. Dela o leitor não sabe quase nada. Do amor de ambos praticamente só sabemos que Pedro se apaixona loucamente, sem qualquer razão aperente que não esteja ligada com a beleza física da Inês, do seu corpo de sonho, do seu cabelo de oiro. Enfim, pura atração física! Ou pelo menos foi isso que transpareceu no texto e, por isso mesmo, não me satisfez de todo.

A prosa da autora manteve-me sempre interessada e gostei bastante, no entanto se tivesse que apontar algo seria certamente o facto de ser pouco descritiva. É eficiente, sem dúvida, mas falta-lhe detalhe. E, sinceramente, estranhei e fiquei triste pela maneira como objectifivou as mulheres da trama, tornando-as tão planas como recortes de cartão.

Em suma, A Trança da Inês desiludiu-me um pouco. Não é que seja um livro mau mas esperava muito mais. O romance foi mais obsessivo que arrebatador e a Inês, a senhora do título e da capa, quase não teve destaque. Foi uma pena!

Capa, Design e Edição:
Sempre adorei a capa desta edição de bolso da Leya, mas depois de ler o livro não pude deixar de notar que o cabelo da Inês é suposto ser loiro, e não castanho como ali ilustrado. Mas isso não retira simbolismo à simplicidade da capa e continuo a gostar muito desta. A edição de bolso também está muito acessível a nível de preço e em termos de facilidade de leitura não se perde nada.  Deixo só uma nota final para o facto de o título ser muito enganador, pois a história é de Pedro, mais do que da Inês.

Por Mundos Divergentes - Passatempo

Para comemorar o lançamento da antologia "Por Mundos Divergente", onde está publicado um conto da minha autoria, decidi criar um novo passatempo para vos oferecer um exemplar.

Sobre a antologia:
Num futuro por vezes próximo, por vezes distante, Portugal sucumbe dos mais variados estados ditatoriais. Aquele que pensa é um inimigo do Estado. Um inimigo da pátria que tem de ter cuidado… e os que não têm cura, devem ser sacrificados pelo bem maior.
Por mundos divergentes conta com cinco contos distópicos escritos por Ana C. Nunes, Nuno Almeida, Pedro G. Martins, Ricardo Dias e Sara Farinha.

Sobre o meu conto, "Dispensáveis":
Enquanto seres humanos gostamos de pensar que cometemos erros no passado para que, no futuro, não tenhamos de fazer igual. Para que não tenhamos desculpas para cair nos mesmo buracos. Mas o que a história nos prova é que os erros se repetem, se multiplicam, se inflamam. Mais tarde o povo verá esta era como uma das mais negras da história da humanidade mas, para já, tudo é aceitável, tudo é justificável, e nada é mais dispensável que a vida humana.

E lembrem-se: quanto mais fizerem Gostar/Seguir/Partilhar, mais hipóteses têm de ganhar.



Boa sorte!

terça-feira, 23 de Setembro de 2014

Two Moons of Sera - Omnibus

"Two Moons of Sera - Omnibus", Parvati K. Tyler (ainda não publicado em Portugal)

Sinopse (inglês):
In a world where water and earth teem with life, Serafay is an anomaly. The result of genetic experiments on her mother's water-borne line Serafay will have to face the very people responsible to discover who she really is. But is she the only one?

Opinião (ebook):


Two Moons of Sera foi originalmente dividido em 4 partes que, posteriormente, a autora reuniu num volume único. E a verdade é que cada uma das 4 partes pouco mais é que uma pequena noveleta, por isso faz todo o sentido reuní-las.
Eu já tinha lido a 1ª (opinião) e a 2ª (opinião) quando comprei este Omnibus. As primeiras foram oferta da autora, o que eu agradeço.
Deste modo esta opinião recairá sobre as 3ª e 4ª partes, assim como na obra como um todo. Vamos a isso!

O mundo criado pela autora é bastante imaginativo e rico, embora só no final da 4ª parte se perceba melhor de onde surgiram as 3 raças: Sualwet (seres aquáticos), Erdlander (seres terrestres) e A'aihea (seres do fogo). De todas, a mais explorada foi, sem dúvida, a Erdlander, o que não deixa de ser estranho, tendo em conta que a Sera é meia-Sualwet  e o Tor é A'aihea; e eles são os personagens principais. Esta foi, para mim, uma grande falha, já que os Sualwet, em especial, são muito negligenciados na narrativa e o que sabemos deles é muito limitado. Contudo os Erdlanders transpareceram quase exclusivamente como uma raça egoísta e intolerante; excepções feitas a algumas pessoas que a Sera encontrou pelo caminhos.

A história em si é bastante complexa mas grande parte desta complexidade só surge quase no final da 3ª parte e, como temi desde cedo, o tempo foi insuficiente para trazer uma conclusão completamente satisfatória. Existem muitas perguntas por responder, ou melhor, as perguntas iniciais estão quase todas respondidas mas apenas conseguem levantar mais questões. Senti que o final foi apressado! Se bem que, de um modo geral gostei da resolução por dar esperança de um futuro melhor. Contudo não gostei do epílogo, em que a autora enfiou quase à pressão uma cena fofinha que nada tinha a ver com o Tor ou a Sera. Esses sim queria eu ver!

E por falar em romance: este é uma grande parte de Two Moons of Sera e, confesso, achei que a Serafay (Sera) e o Torkek (Tor) ficavam muito bem juntos, o que só fez com que me enfurecesse quando na última parte o Tor some e não nos são dadas razões válidas para isso (eu pelo menos não as achei justificáveis). Acho que isso apenas aconteceu para criar fricção mas acabou por arruinar o romance na parte final, onde este devia ser mais forte.

A nível de personagens, sem dúvida que Tor e Sera são os mais bem explorados, mas a autora sabe criar personagens muito interessantes e fazer com que o leitor se preocupe com o destino deles. As minhas favoritas foram o Tor, a Sera e o Elgon (o cão selvagem XD).

A prosa é bastante directa, algo romantizada. Não é excepcional mas funciona bem neste tipo de narrativa. Só gostava que tivesse-se debruçado mais nas diferentes culturas e que o final não tivesse sido tão apressado.

Em suma, Two Moons of Sera (1 a 4) é uma história interessante, por vezes intensa, com boas personagens, um romance fofo e um mundo com muito potencial. Não conseguiu explorar tudo o que eu gostaria de ter visto e o final foi apressado mas isso não o torna uma leitura menos boa. Recomendo!

Visitem o site da autora.

Booktrailer:

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails