quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Changeling Dream

"Changeling Dream (Changeling 2)", de Dani Harper (ainda não publicado em Portugal)

Sinopse (em inglês):
In times of stress Jillian Descharme has always found calm in her dream of a great white wolf with haunting blue eyes. But she is startled when the visions return and this time seem so real. Late at night he comes to her, speaks to her, touches her. It's almost as if he's alive...
Thirty years ago James Macleod lost his wife and unborn child to a killer bent on destroying the Changelings. Though he longed for death, his animal instinct fought for survival and James has been a wolf ever since. Yet now a woman has reawakened the man in him, taming wild instincts but arousing still wilder needs. With his ancient enemy hunting the legendary white wolf, James must fight for new life, new hope, new love.


Opinião:
Hoje em dia, quando começo uma nova série de romances paranormais, vou sempre um pouco de 'pé atrás', com medo daqueles clichés do género (insta-romance, demasiada actividade sexual, alpha-males e heroínas que se submetem com demasiada facilidade). Por outro lado, não deve ser difícil perceber pelas minha leituras, que tenho algumas séries de romance paranormal que sigo com muito interesse (aoesar dos cliché), daí que esteja sempre aberta a novas séries que me surpreendam de alguma forma. Tendo ganho este livro num passatempo e estando curiosa, decidi não adiar muito a leitura, e apesar de este ser o segundo livro da série, posso dizer que o leitor não precisa ter lido o primeiro para conseguir entender este (o que é excelente, especialmente no meu caso).
Vamos então por partes. A história é relativamente simples, mas ao mesmo tempo não o é. Deixem-me explicar. Tudo começa quando oferecem a Jillian um novo emprego longe de casa. Ela aceita por necessidades económicas. Até aqui tudo parece normal, mas depois temos o passado da Jillian (violentada na adolescência) e mais que isso, o passado do James (cuja mulher grávida foi assassinada), que regrediu ao estado selvagem como forma de escapismo. Tenho de dizer que achei que autora usou esta trama com mestria e conseguiu tornar compreensível o estranho laço que unia Jillian a James, sem que parecesse uma reviravolta forçada. Assim, em termos de história gostei muito, tanto da história central como das mais laterais (o assassino especialmente). Uma coisa que também me surpreendeu foi a forma como a autora se focou quase unicamente nos protagonistas e conseguiu que a história não fosse aborrecida, nem excessivamente romântica, dando ainda assim uma certa importância a todas as outras personagens. Normalmente os livros que se focam tanto no casal acabam por não resultar muito interessantes e normalmente são excessivamente ... lamechas, mas aqui manteve-se um equilíbrio durante quase todo o livro. Isto deveu-se em grande parte ao facto de as duas personagens não se apaixonarem à primeira-vista nem decidirem de ânimo leve aceitar os sentimentos que mais tarde brotaram. Os dilemas que eles criaram na relação, para se manterem separados quase até ao final, também não foram excessivos e soaram bastante verdadeiros e naturais.
O que também gostei muito foi o facto de a Jillian não saltar a conclusões e duvidar quando lhe disseram que o James era um Changeling (Metamorfo) e chegar mesmo a duvidar da sua saúde mental quando o viu a transformar-se em lobo.. Ela era uma pessoa muito racional e as reacções dela foram as mais naturais possíveis. Não acreditou até o ver com os próprios olhos e isso deu-lhe ainda mais profundidade enquanto personagem principal.
A única coisa que não gostei no livro aconteceu muito perto do final.  

*ATENÇÂO SPOILER* Não me convenceu a gravidez da Jillian. Pareceu muito ...forçada. Pior que isso, no entanto, foi mesmo o diálogo entre o James e a Jillian na altura em que descobriram, pareceu surreal (no mau sentido). Foi tão ... anti-climático! Pessoalmente não gostei e achei que a história teria funcionado igualmente bem sem este acontecimento. Se bem que por um lado compreenda a decisão da autora, que quis usar isso como cura para o James, mas a mim pareceu-me desnecessário naquele lugar da trama. *FIM DO SPOILER*

Quanto às personagens posso dizer, sem dúvida, que a minha favorita foi a Jillian (protagonista), seguida de perto pelo Connor e pela Birkie. Também gostei bastante do James (protagonista) mas não tanto como dos outros três. As razões porque gostei tanto da Jillian são simples: Ele é uma mulher independente, que sofreu muito mas que se ergueu do sofrimento e não aceita ser usada/abusada por ninguém. A forma como ela decidiu manter-se afastada do James foi muito em sintonia com a sua personalidade. Ainda assim, Jillian também se mostrou vulnerável em momentos, sem com isso parecer fora do seu carácter. Já para não falar que quem gosta de animais poderá reconhecer-se facilmente na paixão que a Jillian tem por eles.

Tanto ela como o James foram muito bem expostos e explicados enquanto personalidades independentes e embora o James fosse um pouco o típico alpha-male, a verdade é que também mostrou ser muito sensível ás necessidades da Jillian. Estes dois foram os pilares que mantiveram a história interessante e gostei de ambos e da relação que a autora criou aos poucos.

Quanto à escrita da autora, achei que foi muito directa, mas em momentos também conseguia ser muito bela e quase visual. Transmitiu sempre muito bem as emoções e manteve-se fiel às personalidades de cada personagem, criando uma história sólida e interessante.
As únicas situações em que não fiquei particularmente interessada nas cenas, em parte por culpa da escrita da autora, foi durante as poucas cenas íntimas que se passaram no livro. Acho que a escrita da autora, mais voltada para o lado psíquico do físico, não funcionou bem nestas cenas. Fora isso, tive sempre vontade de ler mais da trama.

Em suma, este foi um livro muito agradável, com personagens fortes, um relacionamento no qual é fácil acreditar e que me deixou com imensa vontade de ler o livro anterior (sobre o Connor e a Zoey). Gostei muito e pretendo seguir os outros trabalhos da escritora. Para quem gosta de romances paranormais mais focados nas personagens e nos relacionamentos, mais do que numa grande intriga e lutas, terá neste livro uma agradável surpresa.

Capa (Jaime DeJesus), Design e Edição:
A capa não é propriamente muito fiel à história, embora se note uma preocupação em que a modelo seja moderadamente semelhante à descrição da autora (o que é muito bom), a jóia que capta tanta atenção não tem qualquer significado na história. No entanto gosto muito do reflexo do lobo na jóia e do ambiente criando pela imagem toda (isto porque gosto de roxo), apesar de achar a pose da modelo muito estranha.
O design interior é funcional mas sem grandes apetrechos, no entanto favorece a leitura, com margens generosas e um tamanho de letra agradável aos olhos. (quem lê mais de noite, como eu, irá certamente compreender porque isto é importante). A edição está muito cuidada e nada me saltou à vista em termos de erros.

---- Links relacionados: Site oficial - Goodreads - BookDepository - BookDepository UK - Wook - Amazon UK -

Nota: Recebi este livro cortesia da autora, Dani Harper, através de um passatempo hospedado pelo blog Book Chick City.

1 comentário:

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails